sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Santa Cruz 5 x 1 Vila Nova


SANTA CRUZ 5 x 1 VILA NOVA

Na noite desta terça-feira, o Tricolor se agigantou ainda mais nesta reta final da Série B: manteve o embalo da vitória sobre o Ceará no Castelão, goleou o Vila Nova por 5 a 1 na Arena Pernambuco e chegou a sete partidas de invencibilidade. Renan Fonseca, Danilo Pires, Léo Gamalho - duas vezes de pênalti - e Keno marcaram os gols tricolores. Leonardo descontou.
Válida pela 31ª rodada, a partida seria realizada inicalmente no último dia 21. A CBF, contudo, remarcou o confronto para evitar que o Santa Cruz tivesse três partidas seguidas em casa, o que não é permitido pelo regulamento da competição. Um público de 17.979 pessoas compareceu ao estádio nesta terça.
Agora quinto colocado, com 51 pontos, o Santa colou no G-4 e viu o Vila se afundar ainda mais na Série B. Depois de duas partidas sem derrota, o Tigre não conseguiu largar a vice-lanterna e, com 26 pontos, aumentou as chances de ser rebaixado. Sexta-feira, o time goiano tem um clássico contra o Atlético-GO, às 19h30 (horário de Brasília), no Serra Dourada. No sábado, o Tricolor encara o América-RN, às 17h, novamente na Arena Pernambuco.
Bonde do Santa Cruz fez a festa na Arena Pernambuco (Foto: Aldo Carneiro / Pernambuco Press)

O jogo

O Santa Cruz esperou 34 minutos para ligar o motor. Quem saiu para comprar um lanche ou ir ao banheiro na reta final do primeiro tempo, perdeu. Em 10 minutos, o Tricolor marcou três gols. Renan Fonseca, de cabeça, deu início à festa. Três minutos depois, aos 37, Danilo Pires ampliou com um golaço, após bela jogada de Natan, principal novidade no time coral. O meia foi a surpresa na escalação de Oliveira Canindé, que optou por deslocar o volante Bileu para substituir Tony, suspenso, na lateral direita. Aos 41, o Santa chegou ao terceiro com Léo Gamalho, de penâlti, depois de Danilo Pires ser derrubado por Radamés na área. Sufocado, o Vila Nova viu uma avalanche coral se formar na Arena Pernambuco.
Atordoado, o Vila Nova-GO voltou para o segundo tempo para o tudo ou nada. E, logo no início da etapa final, conseguiu diminuir com um gol de Leonardo. Mas não partiu para o "abafa" porque o Santa Cruz acordou e, pouco tempo depois chegou ao quarto gol. Keno foi derrubado na área. O atacante Jheimy, do Tigre, reclamou e acabou expulso. Léo Gamalho marcou e minou qualquer chance de reação dos goianos. Ainda sobrou espaço para Keno marcar o quinto. A partir daí, o time coral só administrou a quarta vitória seguida na Série B. No fim, o Vila ainda perdeu o volante Radamés, expulso.

Fonte: Globo Esporte

domingo, 26 de outubro de 2014

Entrevista com Natan


ENTREVISTA COM NATAN
Fonte: Blog do Torcedor

Ceará 0 x 2 Santa Cruz: melhores momentos


CEARÁ 0 x 2 SANTA CRUZ: MELHORES MOMENTOS
Fonte: Youtube

Ceará 0 x 2 Santa Cruz






CEARÁ 0 x 2 SANTA CRUZ

Só a vitória interessava para os dois times, mas foi o Santa quem primeiro assustou. Após vacilo de Luís Carlos ao socar a bola para longe, Tony cabeceou e, por pouco, não abriu o placar. Pelo Ceará, Ricardinho, em cobrança de falta, tirou tinta da trave direita de Tiago Cardoso. Até que o goleiro Luís Carlos foi surpreendido. Pela direita, Tony cruzou e a bola desviou em Hélder, matando o arqueiro alvinegro, que buscou a bola já dentro da meta: 1 a 0. De herói a vilão, Tony acabou complicando a vida do time pernambucano. O lateral fez falta em Magno Alves, levou o segundo amarelo e deixou o campo mais cedo. Com isso, PC Gusmão tratou de mandar Lulinha para o jogo, antes do intervalo, para dar maior poderio ofensivo ao Vovô. Mesmo assim, os visitantes levaram a vantagem para o tempo seguinte.
A etapa complementar trouxe o Ceará mais agressivo nos primeiros minutos. O Santa se defendia e buscava o contra-ataque. Não fosse a perícia de Tiago Cardoso, que já havia salvado uma bola de Magno Alves no final do primeiro tempo, o Vovô teria deixado tudo igual no marcador com Bill. E como estava inspirado o goleiro do Santa. O Ceará tentava com Ricardinho, em cobranças de falta, com tiros de longa distância de Magno Alves, mas nada passava pelo paredão pernambucano. A vantagem numérica do Ceará só durou até a expulsão direta de João Marcos, que exagerou na dose. Até que brilhou a estrela de Oliveira Canindé. O técnico do Santa sacou Keno e colocou Adilson, que precisou de apenas um lance para marcar, ainda que desajeitado, o segundo dos visitantes, que calaram o torcedor alvinegro no Castelão e se aproximaram ainda mais do G-4.

Fonte: Globo Esporte

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Ceará x Santa Cruz, hoje



Humor


Pela charge do Miguel, publicada no Jornal do Commercio de hoje, Sport, Náutico e Santa Cruz poderão se encontrar na Série B do Campeonato Brasileiro, em 2015.
Considerando que dificilmente Santa e Náutico ascenderão, por conta das posições que hoje ocupam na tabela de classificação, e considerando a queda de produção do time rubro-negro na Série A, tudo é possível.
Um bom chargista deve ter a capacidade de sintetizar no seu desenho toda essa situação. Vocês não acham que ele conseguiu isso?

domingo, 19 de outubro de 2014

Santa Cruz 1 x 0 Vasco da Gama











SANTA CRUZ 1 x 0 VASCO DA GAMA

Amigos corais, um grande time se constrói assim, com vitórias importantes em cima de clubes importantes.
A nossa vitória ontem foi de superação individual e coletiva. Superamos todos os problemas existentes durante a semana e vencemos o Vasco da Gama, vice-líder da Série B do Campeonato Brasileiro.
Nem mesmo os problemas extracampo, como dois meses de salários atrasados, nos impediram de chegar à vitória. Agora, é perseverar e tentar vencer o Ceará em Fortaleza.
Na Arena Pernambuco, sob o comando do treinador Oliveira Canindé, diante de um público de 24.283 pessoas, jogamos e vencemos com Tiago Cardoso; Tony, Alemão, Renan Fonseca e Tiago Costa; Sandro Manoel, Bileu, Danilo Pires (Cassiano) e Wescley (Renatinho); Leo Gamalho e Keno (Ailton).
Gol de Cassiano, aos 41 minutos do segundo tempo.
Valeu, rapaziada!

sábado, 9 de agosto de 2014

Só vitória interessa no clássico entre Santa Cruz e Náutico

Gamalho (Santa Cruz) e Marinho (Náutico) são os destaques de cada equipe. Fotos: JC Imagem

Gamalho (Santa Cruz) e Marinho (Náutico) são os destaques de cada equipe. Fotos: Diego Nigro e Guga Matos/JC Imagem

Por Matheus Albino e Thiago Wagner

É vencer ou vencer. Não existe um meio-termo para Santa Cruz e Náutico, neste sábado, às 16h20, no Arruda, pela Série B. Somente os três pontos interessam para as duas equipes na Segundona. Não só porque a vitória aproxima um dos times do G4 da competição, mas também pelo ânimo psicológico que um êxito sobre o rival provoca. Por isso, cada erro deve ser minimizado no gramado. Quem falhar menos possivelmente vai sair sorridente neste Clássico das Emoções.

Santa Cruz quer ficar em paz com a defesa


Corais sofreram 14 gols em seis jogos. Foto: Diego Nigro/JC Imagem

A defesa é a principal dor de cabeça do técnico Sérgio Guedes para o clássico. Nas últimas seis partidas, o Tricolor sofreu 14 gols. Os lados do campo são os pontos fracos da Cobra Coral. Ofensivos, os laterais Tony e Renatinho não guardam muita posição e deixam espaços, quase sempre aproveitados pelos adversários. Por conta disso, o comandante coral não deu pistas sobre a escalação da equipe. Adotou o mistério principalmente sobre que vai jogar no lugar do volante Danilo Pires, suspenso pelo terceiro amarelo. Natan e Wescley são os favoritos para entrarem. Outra opção mais conservadora é colocar o volante Bileu, mas a chance é pequena. Só que mais do que resolver o ‘problema’ no meio, Guedes terá que dar equilíbrio entre a defesa e o ataque. Dificilmente vai conseguir isso da noite para o dia, o que é mais um motivo para vencer. A vitória traz tranquilidade para ajustes mais profundos no time, que é o 11º com 19 pontos.

Náutico não pensa em jogar bonito


Timbu busca sequência. Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Vencer e convencer? Nada disso. Vencer e ter uma sequência de bons resultados na Série B, esse é o lema do Náutico. Tentando chegar na parte de cima da tabela (está atualmente na 13° posição com 18 pontos) e consequentemente se afastar de vez da zona de rebaixamento, o técnico Sidney Moraes enfatizou a importância de vencer um clássico estadual fora de casa sem que o time apresente um bom futebol. Para ele, essa não é a hora de jogar bonito. “O clássico é uma oportunidade boa de conquistar uma bela vitória. Clássico não tem jogo bonito, tem determinação e entrega em campo”, afirmou. No clássico ele não terá o volante Paulinho, expulso contra o Icasa na última rodada. Em seu lugar, entrará Roberto. Outra novidade importante é na dupla de zaga. Saem William Alves e Edvânio e entram Mario Risso e Renato Chaves. Entre as armas para vencer está a bola parada alvirrubra, principalmente pelos gols que o Santa vem tomando neste fundamento.

Quem pode decidir nos dois lados?

No Santa Cruz, o cara que decide atende pelo nome de Léo Gamalho. Foram seis gols nos últimos quatro jogos. Fica de olho nele será fundamental para o Timbu durante os 90 minutos.

No Náutico, o meia-atacante Marinho é a arma principal. Autor do gol da vitória sobre o Icasa na última rodada, ele vem preenchendo vários setores do campo e ajudando na variação tática do esquema da equipe.

Fique de olho nos coadjuvantes


Natan e Tadeu podem ser os coadjuvantes. Fotos: Rodrigo Lôbo e Alexandre Gondim/JC Imagem

Natan pode não ser titular absoluto do Santa Cruz neste momento, mas é de longe o jogador com um dos maiores poderes de decisão no Tricolor. Criatividade e velocidade são as principais armas do meia.

Mesmo carregando o peso de ser o homem gol do Náutico o atacante Tadeu não é o principal jogador do time em campo. Mas, como todo camisa 9 esperto, ele pode contribuir para uma vitória marcando gols importantes.

O que dizem os treinadores


Fotos: JC Imagem

“Se eu tenho o direito de fazer um pedido é que como adversário que fui tive o trauma de jogar aqui, que não conseguíamos nos comunicar devido a torcida. Espero que os jogadores sejam aplaudidos e incentivados”, destacou Sérgio Guedes no lado do Santa Cruz.

“Estou tranquilo quanto ao resultado do clássico, entendo a cobrança do torcedor que até pouco tempo atrás assistia o time na Série A. Fazendo uma análise mais fria do adversário você sabe que estará diante de um adversário que vem jogando junto desde o início do ano e se perdermos, o torcedor vai contestar e vai estar no direito dele”, disse Sidney Moraes pelo Timbu.

Relembre: Na última partida entre as duas equipes o placar foi de 5×3 para o Santa Cruz, na Arena Pernambuco. No Arruda, o clássico ficou no 0×0 em 2014. Ao todo, são 501 jogos. 195 vitórias dos corais, 144 empates e 161 vitórias dos alvirrubros.

FICHA DA PARTIDA – SANTA CRUZ X NÁUTICO

SANTA CRUZ – Tiago Cardoso; Tony, Everton Sena, Marllon e Renatinho; Sandro Manoel, Everton, Carlos Alberto e Natan (Wescley); Pingo e Léo Gamalho. Técnico: Sérgio Guedes.

NÁUTICO – Alessandro, Neílson, Mario Risso, Renato Chaves e Raí; Elicarlos, Gilmak, Roberto, Marcos Vinícius e Marinho; Tadeu. Técnico: Sidney Moraes.

Série B (15ª rodada). Local: Arruda, Recife (PE). Horário: sábado, às 16h20. Árbitro: Pericles Bassols Pegado Cortez (RJ). Auxiliares: Clovis Amaral da Silva e Albino Andrade Albert Junior (ambos de Pernambuco).

Fonte: http://blogs.ne10.uol.com.br/torcedor/2014/08/08/vitoria-interessa-classico-entre-santa-cruz-e-nautico/

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Tábua de pirulitos


TÁBUA DE PIRULITOS

Clóvis Campêlo

Amigos corais, a nossa defesa anda mais vazada do que tábua de pirulitos. De nada adiantou a nossa invencibilidade anterior à paralisação da Copa do Mundo. Se antes reclamamos do número excessivo de empates (sete seguidos), agora lamentamos as três derrotas seguidas na Série B e os 10 tentos tomados. Todos se perguntam: qual o motivo dessa queda de produção? O que aconteceu, por exemplo, com Éverton Sena e Renatinho, jogadores prata-da-casa que, parece, desaprenderam a jogar?
Na semana passada, antes do jogo contra o Ceará, em alguns grupos corais do Facebook, correu a notícia de o clube está com dois meses de salários atrasados. A informação não foi confirmada e, ao mesmo tempo, foi retirada do ar. Será mentira isso ou será verdade?
Parece até que voltamos aos tempos dos dirigentes-empresários, aqueles que ganhavam dinheiro contratando jogadores sem qualidade para o clube coral. Parece que a falta de critério nas contratações voltou.
No Santinha de hoje nem mesmo parece haver um projeto de organização à médio e longo prazo, ou mesmo um trabalho de renovação de valores que traga algum bônus para o clube dentro e fora de campo. Falta-nos planejamento.
Muitos reclamam da defesa coral, notadamente do miolo da zaga. Mas, é preciso ver que também nos falta qualidade no meio-de-campo, principalmente na cabeça de área, onde os volantes se ressentem de um melhor nível técnico na saída de bola.
Será que estamos iniciando o caminho de volta à Série C, de onde conseguimos sair depois de anos de lutas inglórias?
Ninguém merece!

domingo, 29 de junho de 2014

A morte de Palito


FALECEU "PALITO", UM DOS GRANDES JOGADORES DA HISTÓRIA DO SANTA CRUZ DO RECIFE!

"Um nome que a história guardou!

Junho 29/06/2014

O mundo fascinante do futebol perdeu quinta-feira um daqueles atletas que orgulharam o Santa Futebol Clube. Toda sua carreira futebolística foi dedicada ao Santinha, de 1948 até 1955. Estamos nos referindo ao jogador Almir Ferreira dos Santos, mais conhecido como Palito.
Este jogador é o que podemos considerá-lo um tricolor de corpo e alma. Palito que nasceu no Recife em 23 de janeiro de 1930 e morreu no Recife em 26 de junho de 2014, morava em Boa Viagem. Palito era uma figura muito admirada pelos frequentadores da Praia de Boa Viagem.


Colaboração de Jorge Macêdo

Paulo Galvão


PAULO GALVÃO

Excelente zagueiro, Paulo Galvão jogou por muito tempo no Nacional do Amazonas, que na época tinha um ótimo time, e o Santa Cruz o contratou. Hoje com 63 anos bate sua peladinha no time de veteranos do nacional do Amazonas e também é treinador de futebol.

Fonte: Como Antigamente Santa Cruz Sempre