terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Um triste centenário


UM TRISTE CENTENÁRIO

A temporada de 2014 foi muito aguardada pelo Santa Cruz. Afinal, marcava os 100 anos de fundação do clube. A motivação e o otimismo tomou conta de todos, da torcida, dirigentes e funcionários. Não poderia ser de outra forma. o time vinha do acesso para a Série B do Brasileiro (foi campeão da Série C) e com o tricampeonato pernambucano na bagagem. Os objetivos foram traçados. Transformar o centenário em um ano de novas conquistas, começando pela Copa do Nordeste, levantar o tetra, ir o mais lone possível na Copa do Brasil e brigar forte pela volta à Série A, competição que disputou pela última vez em 2006.
O centenário, no entanto, foi amargo em termos de futebol. Nada deu certo, mesmo com a manutenção do técnico Vica e da base de 2013, e a chegada de alguns jogadores para qualificação do grupo, como os atacantes Leo Gamalho e Cassiano. O tricolor colecionou derrotas. Foi eliminado do Nordestão e do Pernambucano pelo maior rival Sport. Depois perdeu a terceira colocação do Estadual em dois jogos diante do Salgueiro e está fora da competição em 2015. Ao mesmo tempo, saiu da Copa do Brasil, eliminado pelo modesto Santa Rita-AL.
Na Série B, o início foi irregular. Logo após o primeiro jogo diante do ABC - empate por 1x1, no Arruda -, Vica entregou o cargo. Não havia mais clima para ele no clube. Para a vaga veio Sérgio Guedes, ex-Sport. Foram mais seis empates seguidos. A primeira vitória só veio no dia 27/5, 2x0 sobre o Boa Esporte. Mais dois triunfos vieram no embalo, diante do Joinville (2x0) e Ponta Preta (2x1). Por sinal, ambos conseguiram o acesso para a Série A em 2015.
Durante o intervalo para a Copa do Mundo, a diretoria decidiu enxugar o elenco. Foram liberados o meia Raul, o volante Luciano Sorriso, o zagueiro Vágner e o lateral Oziel. Depois deixaram o clube, o lateral Zeca e um dos principais jogadores, o meia Carlos Alberto, que teve de retornar para o Atlético-PR. A diretoria ainda reforçou o grupo com o meia Danilo Pires, o volante Bileu (emprestado pelo Sport), os laterais Julinho e Tony, o meia Wescley, o atacante Keno e zagueiro Marllon. Ainda chegaram o meia Aílton, ex-Sport, o zagueiro Alemão, o volante Alberto e o zagueiro Renato Silva, que nem estreou devido a uma lesão muscular. O grupo ainda contou com as voltas de Cassiano e Tiago Costa, recuperados de cirurgias.
Na retomada da competição, porém, a equipe não rendeu e sofreu três derrotas seguidas - Vasco por 4x1, Vila Nova-GO e Ceará (ambas por 3x2). A irregularidade persistiu. Assim, depois da derrota por 2x1 diante do Luverdense, 16/9, Sérgio Guedes foi demitido.
A diretoria decidiu contratar Oliveira Canindé. Com novo ânimo, o time teve uma reação meteórica e ficou sete jogos invicto, com cinco vitórias e dois empates e entrou na briga pelo G-4. Justamente nesse momento decisivo, o tricolor decepcionou e não aproveitou as três oportunidades claras de entrar no G-4, após tropeços dos principais concorrentes. A derrota por 2x0 para o Sampaio Corrêa, no Arruda, na última terça, praticamente já tinha encerrado a possibilidade de acesso, fato consumado sábado passado.
"Infelizmente, às vezes, os bons resultados não ocorrem. O acesso seria muito importante, pois estamos nos estruturando. Nos últimos quatro anos, com o presidente Antônio Luiz Neto, o Santa Cruz deu um salto. Vamos continuar o trabalho e aprimorar para termos uma temporada melhor no próximo ano e apagar o que ocorreu de ruim esse ano. Não podemos colocar todo o nosso projeto por água abaixo", disse o diretor de futebol Constantino Júnior.
Vale a pena ressaltar que 2014 ainda não acabou para o Santa, uma vez que no dia 15 de dezembro haverá eleição presidencial no clube.

Fonte: Jornal do Commercio, Recife, 24/11/2014

domingo, 2 de novembro de 2014

Santa Cruz 0 x 1 América/RN









SANTA CRUZ 0 x 1 AMÉRICA/RN

Clóvis Campêlo

Meus amigos corais, não resta a menor dúvida de que a Arena Pernambuco é um estádio moderno e maravilhoso quando se está dentro dele. Porém, camaradas, é longe, o acesso é dificultoso, a infra-estrutura propalada não existe no entorno, e tudo custa caro.
Bom mesmo é jogar no Arruda. Somos o time do povão e temos a nossa casa. Uma casa que nos orgulha e nós ajudamos a construir. Portanto, lugar de tricolor é no Arruda!
Ontem, jogamos mal, pareceu-me até que de sapato alto. Perdemos o jogo e a disputa tática. O América se hou melhor e ganhou a parada. A derrota inesperada nos dificultou a entrada no sonhado G4 e a ascensão à Série A ficou mais difícil.
No próximo sábado, novamente na Arena Pernambuco, temos o Náutico pela frente. Não podemos mais perder. ganhar é a palavra de ordem.
As fotografias acima foram feitas por mim das arquibancadas. Serviram para registrar alguns momentos do jogo.
Parabéns mais uma vez à torcida coral que é de fé e de força, chegando junto sempre que o time dela precisa. Ontem fomos mais de 34 mil torcedores fieis.

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Santa Cruz 5 x 1 Vila Nova


SANTA CRUZ 5 x 1 VILA NOVA

Na noite desta terça-feira, o Tricolor se agigantou ainda mais nesta reta final da Série B: manteve o embalo da vitória sobre o Ceará no Castelão, goleou o Vila Nova por 5 a 1 na Arena Pernambuco e chegou a sete partidas de invencibilidade. Renan Fonseca, Danilo Pires, Léo Gamalho - duas vezes de pênalti - e Keno marcaram os gols tricolores. Leonardo descontou.
Válida pela 31ª rodada, a partida seria realizada inicalmente no último dia 21. A CBF, contudo, remarcou o confronto para evitar que o Santa Cruz tivesse três partidas seguidas em casa, o que não é permitido pelo regulamento da competição. Um público de 17.979 pessoas compareceu ao estádio nesta terça.
Agora quinto colocado, com 51 pontos, o Santa colou no G-4 e viu o Vila se afundar ainda mais na Série B. Depois de duas partidas sem derrota, o Tigre não conseguiu largar a vice-lanterna e, com 26 pontos, aumentou as chances de ser rebaixado. Sexta-feira, o time goiano tem um clássico contra o Atlético-GO, às 19h30 (horário de Brasília), no Serra Dourada. No sábado, o Tricolor encara o América-RN, às 17h, novamente na Arena Pernambuco.
Bonde do Santa Cruz fez a festa na Arena Pernambuco (Foto: Aldo Carneiro / Pernambuco Press)

O jogo

O Santa Cruz esperou 34 minutos para ligar o motor. Quem saiu para comprar um lanche ou ir ao banheiro na reta final do primeiro tempo, perdeu. Em 10 minutos, o Tricolor marcou três gols. Renan Fonseca, de cabeça, deu início à festa. Três minutos depois, aos 37, Danilo Pires ampliou com um golaço, após bela jogada de Natan, principal novidade no time coral. O meia foi a surpresa na escalação de Oliveira Canindé, que optou por deslocar o volante Bileu para substituir Tony, suspenso, na lateral direita. Aos 41, o Santa chegou ao terceiro com Léo Gamalho, de penâlti, depois de Danilo Pires ser derrubado por Radamés na área. Sufocado, o Vila Nova viu uma avalanche coral se formar na Arena Pernambuco.
Atordoado, o Vila Nova-GO voltou para o segundo tempo para o tudo ou nada. E, logo no início da etapa final, conseguiu diminuir com um gol de Leonardo. Mas não partiu para o "abafa" porque o Santa Cruz acordou e, pouco tempo depois chegou ao quarto gol. Keno foi derrubado na área. O atacante Jheimy, do Tigre, reclamou e acabou expulso. Léo Gamalho marcou e minou qualquer chance de reação dos goianos. Ainda sobrou espaço para Keno marcar o quinto. A partir daí, o time coral só administrou a quarta vitória seguida na Série B. No fim, o Vila ainda perdeu o volante Radamés, expulso.

Fonte: Globo Esporte

domingo, 26 de outubro de 2014

Entrevista com Natan


ENTREVISTA COM NATAN
Fonte: Blog do Torcedor

Ceará 0 x 2 Santa Cruz: melhores momentos


CEARÁ 0 x 2 SANTA CRUZ: MELHORES MOMENTOS
Fonte: Youtube

Ceará 0 x 2 Santa Cruz






CEARÁ 0 x 2 SANTA CRUZ

Só a vitória interessava para os dois times, mas foi o Santa quem primeiro assustou. Após vacilo de Luís Carlos ao socar a bola para longe, Tony cabeceou e, por pouco, não abriu o placar. Pelo Ceará, Ricardinho, em cobrança de falta, tirou tinta da trave direita de Tiago Cardoso. Até que o goleiro Luís Carlos foi surpreendido. Pela direita, Tony cruzou e a bola desviou em Hélder, matando o arqueiro alvinegro, que buscou a bola já dentro da meta: 1 a 0. De herói a vilão, Tony acabou complicando a vida do time pernambucano. O lateral fez falta em Magno Alves, levou o segundo amarelo e deixou o campo mais cedo. Com isso, PC Gusmão tratou de mandar Lulinha para o jogo, antes do intervalo, para dar maior poderio ofensivo ao Vovô. Mesmo assim, os visitantes levaram a vantagem para o tempo seguinte.
A etapa complementar trouxe o Ceará mais agressivo nos primeiros minutos. O Santa se defendia e buscava o contra-ataque. Não fosse a perícia de Tiago Cardoso, que já havia salvado uma bola de Magno Alves no final do primeiro tempo, o Vovô teria deixado tudo igual no marcador com Bill. E como estava inspirado o goleiro do Santa. O Ceará tentava com Ricardinho, em cobranças de falta, com tiros de longa distância de Magno Alves, mas nada passava pelo paredão pernambucano. A vantagem numérica do Ceará só durou até a expulsão direta de João Marcos, que exagerou na dose. Até que brilhou a estrela de Oliveira Canindé. O técnico do Santa sacou Keno e colocou Adilson, que precisou de apenas um lance para marcar, ainda que desajeitado, o segundo dos visitantes, que calaram o torcedor alvinegro no Castelão e se aproximaram ainda mais do G-4.

Fonte: Globo Esporte

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Ceará x Santa Cruz, hoje



Humor


Pela charge do Miguel, publicada no Jornal do Commercio de hoje, Sport, Náutico e Santa Cruz poderão se encontrar na Série B do Campeonato Brasileiro, em 2015.
Considerando que dificilmente Santa e Náutico ascenderão, por conta das posições que hoje ocupam na tabela de classificação, e considerando a queda de produção do time rubro-negro na Série A, tudo é possível.
Um bom chargista deve ter a capacidade de sintetizar no seu desenho toda essa situação. Vocês não acham que ele conseguiu isso?

domingo, 19 de outubro de 2014

Santa Cruz 1 x 0 Vasco da Gama











SANTA CRUZ 1 x 0 VASCO DA GAMA

Amigos corais, um grande time se constrói assim, com vitórias importantes em cima de clubes importantes.
A nossa vitória ontem foi de superação individual e coletiva. Superamos todos os problemas existentes durante a semana e vencemos o Vasco da Gama, vice-líder da Série B do Campeonato Brasileiro.
Nem mesmo os problemas extracampo, como dois meses de salários atrasados, nos impediram de chegar à vitória. Agora, é perseverar e tentar vencer o Ceará em Fortaleza.
Na Arena Pernambuco, sob o comando do treinador Oliveira Canindé, diante de um público de 24.283 pessoas, jogamos e vencemos com Tiago Cardoso; Tony, Alemão, Renan Fonseca e Tiago Costa; Sandro Manoel, Bileu, Danilo Pires (Cassiano) e Wescley (Renatinho); Leo Gamalho e Keno (Ailton).
Gol de Cassiano, aos 41 minutos do segundo tempo.
Valeu, rapaziada!

sábado, 9 de agosto de 2014

Só vitória interessa no clássico entre Santa Cruz e Náutico

Gamalho (Santa Cruz) e Marinho (Náutico) são os destaques de cada equipe. Fotos: JC Imagem

Gamalho (Santa Cruz) e Marinho (Náutico) são os destaques de cada equipe. Fotos: Diego Nigro e Guga Matos/JC Imagem

Por Matheus Albino e Thiago Wagner

É vencer ou vencer. Não existe um meio-termo para Santa Cruz e Náutico, neste sábado, às 16h20, no Arruda, pela Série B. Somente os três pontos interessam para as duas equipes na Segundona. Não só porque a vitória aproxima um dos times do G4 da competição, mas também pelo ânimo psicológico que um êxito sobre o rival provoca. Por isso, cada erro deve ser minimizado no gramado. Quem falhar menos possivelmente vai sair sorridente neste Clássico das Emoções.

Santa Cruz quer ficar em paz com a defesa


Corais sofreram 14 gols em seis jogos. Foto: Diego Nigro/JC Imagem

A defesa é a principal dor de cabeça do técnico Sérgio Guedes para o clássico. Nas últimas seis partidas, o Tricolor sofreu 14 gols. Os lados do campo são os pontos fracos da Cobra Coral. Ofensivos, os laterais Tony e Renatinho não guardam muita posição e deixam espaços, quase sempre aproveitados pelos adversários. Por conta disso, o comandante coral não deu pistas sobre a escalação da equipe. Adotou o mistério principalmente sobre que vai jogar no lugar do volante Danilo Pires, suspenso pelo terceiro amarelo. Natan e Wescley são os favoritos para entrarem. Outra opção mais conservadora é colocar o volante Bileu, mas a chance é pequena. Só que mais do que resolver o ‘problema’ no meio, Guedes terá que dar equilíbrio entre a defesa e o ataque. Dificilmente vai conseguir isso da noite para o dia, o que é mais um motivo para vencer. A vitória traz tranquilidade para ajustes mais profundos no time, que é o 11º com 19 pontos.

Náutico não pensa em jogar bonito


Timbu busca sequência. Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Vencer e convencer? Nada disso. Vencer e ter uma sequência de bons resultados na Série B, esse é o lema do Náutico. Tentando chegar na parte de cima da tabela (está atualmente na 13° posição com 18 pontos) e consequentemente se afastar de vez da zona de rebaixamento, o técnico Sidney Moraes enfatizou a importância de vencer um clássico estadual fora de casa sem que o time apresente um bom futebol. Para ele, essa não é a hora de jogar bonito. “O clássico é uma oportunidade boa de conquistar uma bela vitória. Clássico não tem jogo bonito, tem determinação e entrega em campo”, afirmou. No clássico ele não terá o volante Paulinho, expulso contra o Icasa na última rodada. Em seu lugar, entrará Roberto. Outra novidade importante é na dupla de zaga. Saem William Alves e Edvânio e entram Mario Risso e Renato Chaves. Entre as armas para vencer está a bola parada alvirrubra, principalmente pelos gols que o Santa vem tomando neste fundamento.

Quem pode decidir nos dois lados?

No Santa Cruz, o cara que decide atende pelo nome de Léo Gamalho. Foram seis gols nos últimos quatro jogos. Fica de olho nele será fundamental para o Timbu durante os 90 minutos.

No Náutico, o meia-atacante Marinho é a arma principal. Autor do gol da vitória sobre o Icasa na última rodada, ele vem preenchendo vários setores do campo e ajudando na variação tática do esquema da equipe.

Fique de olho nos coadjuvantes


Natan e Tadeu podem ser os coadjuvantes. Fotos: Rodrigo Lôbo e Alexandre Gondim/JC Imagem

Natan pode não ser titular absoluto do Santa Cruz neste momento, mas é de longe o jogador com um dos maiores poderes de decisão no Tricolor. Criatividade e velocidade são as principais armas do meia.

Mesmo carregando o peso de ser o homem gol do Náutico o atacante Tadeu não é o principal jogador do time em campo. Mas, como todo camisa 9 esperto, ele pode contribuir para uma vitória marcando gols importantes.

O que dizem os treinadores


Fotos: JC Imagem

“Se eu tenho o direito de fazer um pedido é que como adversário que fui tive o trauma de jogar aqui, que não conseguíamos nos comunicar devido a torcida. Espero que os jogadores sejam aplaudidos e incentivados”, destacou Sérgio Guedes no lado do Santa Cruz.

“Estou tranquilo quanto ao resultado do clássico, entendo a cobrança do torcedor que até pouco tempo atrás assistia o time na Série A. Fazendo uma análise mais fria do adversário você sabe que estará diante de um adversário que vem jogando junto desde o início do ano e se perdermos, o torcedor vai contestar e vai estar no direito dele”, disse Sidney Moraes pelo Timbu.

Relembre: Na última partida entre as duas equipes o placar foi de 5×3 para o Santa Cruz, na Arena Pernambuco. No Arruda, o clássico ficou no 0×0 em 2014. Ao todo, são 501 jogos. 195 vitórias dos corais, 144 empates e 161 vitórias dos alvirrubros.

FICHA DA PARTIDA – SANTA CRUZ X NÁUTICO

SANTA CRUZ – Tiago Cardoso; Tony, Everton Sena, Marllon e Renatinho; Sandro Manoel, Everton, Carlos Alberto e Natan (Wescley); Pingo e Léo Gamalho. Técnico: Sérgio Guedes.

NÁUTICO – Alessandro, Neílson, Mario Risso, Renato Chaves e Raí; Elicarlos, Gilmak, Roberto, Marcos Vinícius e Marinho; Tadeu. Técnico: Sidney Moraes.

Série B (15ª rodada). Local: Arruda, Recife (PE). Horário: sábado, às 16h20. Árbitro: Pericles Bassols Pegado Cortez (RJ). Auxiliares: Clovis Amaral da Silva e Albino Andrade Albert Junior (ambos de Pernambuco).

Fonte: http://blogs.ne10.uol.com.br/torcedor/2014/08/08/vitoria-interessa-classico-entre-santa-cruz-e-nautico/

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Tábua de pirulitos


TÁBUA DE PIRULITOS

Clóvis Campêlo

Amigos corais, a nossa defesa anda mais vazada do que tábua de pirulitos. De nada adiantou a nossa invencibilidade anterior à paralisação da Copa do Mundo. Se antes reclamamos do número excessivo de empates (sete seguidos), agora lamentamos as três derrotas seguidas na Série B e os 10 tentos tomados. Todos se perguntam: qual o motivo dessa queda de produção? O que aconteceu, por exemplo, com Éverton Sena e Renatinho, jogadores prata-da-casa que, parece, desaprenderam a jogar?
Na semana passada, antes do jogo contra o Ceará, em alguns grupos corais do Facebook, correu a notícia de o clube está com dois meses de salários atrasados. A informação não foi confirmada e, ao mesmo tempo, foi retirada do ar. Será mentira isso ou será verdade?
Parece até que voltamos aos tempos dos dirigentes-empresários, aqueles que ganhavam dinheiro contratando jogadores sem qualidade para o clube coral. Parece que a falta de critério nas contratações voltou.
No Santinha de hoje nem mesmo parece haver um projeto de organização à médio e longo prazo, ou mesmo um trabalho de renovação de valores que traga algum bônus para o clube dentro e fora de campo. Falta-nos planejamento.
Muitos reclamam da defesa coral, notadamente do miolo da zaga. Mas, é preciso ver que também nos falta qualidade no meio-de-campo, principalmente na cabeça de área, onde os volantes se ressentem de um melhor nível técnico na saída de bola.
Será que estamos iniciando o caminho de volta à Série C, de onde conseguimos sair depois de anos de lutas inglórias?
Ninguém merece!